Uma semana falando "top"

Segundo o Dicionário Informal, top significa "Legal, de boa qualidade. Top de Linha". Eu não entendo como uma simples gíria pode sofrer tantos ataques na internet e também tanto preconceito, eu mesmo não uso essa gíria por puro preconceito.
Enfim, intrigado com o uso do termo "top", eu resolvi tentar me colocar na vida de um usuário de "top" e passar uma semana falando a gíria.



Segunda-feira
   Acordei às seis da matina e já estava ansioso para começar a experiência. Peguei o meu celular e mandei para minha namorada "Amor, tenha um dia top!", ao que fui prontamente respondido com "Que porra é essa?". "Só quero que você tenha um dia topíssimo, ué", expliquei.
   Às sete horas eu já estava solteiro, mas o experimento deveria continuar. Eu estava muito deprimido para fazer meu café da manhã, então fui comer na padaria perto de casa, chegando lá a atendente me perguntou com um sorriso no rosto:
   - Em que posso ajudar?
   - Qual lanche daqui é o mais top? - perguntei, forçando uma cara normal.
   - Vou fazer um pão na chapa, pra você. - o que era sorriso virou trevas.
Claro que era um pão na chapa, era o jeito mais rápido dela se livrar de mim, era como se eu tivesse estragado o dia dela. Da padaria fui direto para o trabalho como auxiliar de escritório.
Perto do almoço eu havia resolvido um problema de arquivamento com uma bela planilha, era uma planilha muito sensacional e muito bem trabalhada, então naturalmente chamei meus colegas e disse:
   - Meu olha que top essa planilha!
   Eles se entreolharam e imediatamente voltaram a seus respectivos lugares antes que eu pudesse falar o que a planilha fazia, trabalharam quietos até a hora do almoço e saíram pontualmente às 11:00, eu almocei sozinho esse dia. Até às 18:00 ninguém disse nada, pelo menos não comigo. Voltei para casa ponderando sobre minhas escolhas nesse dia e acabei faltando na faculdade, tomei um chá e dormi cedo.


Terça-feira
   Acordei mais tarde, às sete. Mandei um vídeo no grupo dos meus amigos de infância com a mensagem "Olha que vídeo top! (vários emojis chorando de rir)", tomei café e fui pro trabalho.
Na hora do almoço eu já tinha sido removido desse e de mais outros dois grupos que tinham o mesmo adm.
   De tarde meu chefe me mandou ir no banco sacar dinheiro, eram duas da tarde, o banco estava lotado, vários caixas eletrônicos parando de funcionar. Bem na minha vez sobraram apenas três e nenhum era para saque, até que o rapaz do banco fez uma configuração nos caixa que permitia fazer tudo, eu saquei o dinheiro e vi que dois caixas para lá estava um cara apressado e puto coma máquina, ele apertava os botões e nada, então eu prontamente disse:
   - Usa essa aqui, cara. Essa aqui tá top, tá fazendo tudo.
   O resto do banco me olhou com desprezo, mas o rosto do cara foi tomado de alegria:
   - Top! Top! Que top! Top! - disse com sorriso de orelha a orelha - muito obrigado cara, você é top demais!
   Até eu fiquei meio assim, eu tava nessa de falar top, mas esse cara exagerou. Antes de ir embora ele disse:
   - Cara eu tô um pouco atrasado, fica com o meu cartão e liga na meu trampo amanhã.
   Eu não entendi muita coisa e peguei o cartão, eu tava mais tranquilo de não ter sido o mais julgado daquele banco.
Deu 18:00, não me despedi de ninguém do trabalho e voltei para casa. Fui para a faculdade e resolvi deixar um pouco de lado o top pelo menos lá, embora eu tenha deixado escapar um "nossa que top" umas duas vezes, o pessoal só achou que eu tava de sacanagem.


Quarta-feira
   O clima tava uma bosta na empresa de manhã. Na hora do almoço eu liguei pra empresa do cara do banco, expliquei que eu tinha recebido o cartão no banco e me disseram pra ligar. Já estavam avisados e me passaram para ele no telefone:
   - Alô!
   - Alô, e aí meu, tudo certo?
   - Tudo certo, cara por que você pediu pra te ligar?
   - Me fala, o que cê faz meu?
   - Eu sou auxiliar de escritório e estudo computação de noite.
   - Noooooossa meu, conta como estágio essa bagaça?
   - Não, é só pra tirar uma grana mesmo e paga a faculdade.
   - Nossa que molhado, meu. Vem fazer uma entrevista aqui, é estágio na sua área e com certeza deve ser cinco vezes o que você ganha e tem carro corporativo, aqui é muito top.
   - Mas como assim? Eu to no segundo ano ainda, eu nem sei como eu vou passar nessa entrevista.
   - Relaxa, meu. Só seja você mesmo.
E desligou. De tarde eu teria que ir no banco, mas antes dei uma passada na empresa. A empresa era sensacional, ficava num puta prédio no centro e nos últimos andares. Subi e cumprimentei o cara do banco, que eu vou chamar de Rogério porque nessa altura da história eu sei seu nome, e fui ter uma entrevista com o chefe dele.
   Entrei era uma sala com umas poltronas de couro que afunda uns dez centímetros quando você senta. De bate pronto o chefe já mandou:
   - Por que você quer trabalhar aqui?
   Eu fiquei pensando no "seja você mesmo" e me veio uma ideia que eu hesitei um pouco, mas acabei falando:
   - Quero trabalhar aqui porque essa empresa é TOP.
   O Chefe fez uma cara de pai orgulhoso e me cumprimentou.
   - Você começa amanhã. Nós cuidamos da papelada com o seu antigo trabalho.
   Nem voltei pro trabalho, mas fui para a faculdade porque eu tava desesperado atrás de algum conhecimento para usar no novo trabalho amanhã.
   Antes de dormir eu parei pra pensar em tudo aquilo, não podia ter sido só por causa do top, eles devem ter me reconhecido em alguma apresentação na faculdade, ou alguém da minha família me arrumou esse emprego, então eu liguei para minha mãe:
   - Oi, mãe, tudo bem?
   - Oi, filho, tudo e aí?
   - Aqui tá ótimo. Arrumei um estágio muito top. - escapou.
   - Ai que bom filho e o seu trabalho? O que é top?
   - Top é legal, de boa qualidade.
   - Hahaha que top, gostei. Boa sorte no estágio filho.
   - Valeu mãe, beijo boa noite.
   - Beijo.
   Não foi ninguém da família, mas eu ainda estava cético. Fui dormir cético.

Quinta-feira
   Acordei cedo e fui para o trabalho novo. Lá já ganhei as chaves do meu carro corporativo, que já vinha com o adesivo "DEUS é TOP" e não precisei comprar, coisa que eu já pretendia fazer.
   Fui convidado pelos meus colegas para uma partida top de squash. Nunca tinha jogado.
Jogamos squash, na empresa, a manhã inteira, depois almoçamos em uma churrascaria, tudo pago pela firma, só carne top. À tarde me disseram o que eu teria que fazer, me ensinaram o meu trabalho e cara, que trabalho top.
   Saímos do trabalho e fomos na academia da empresa, eu sempre odiei malhar e fazer exercícios, mas meu só tinha equipamento top. Voltei pra casa, fui na faculdade e depois voltei pra casa, não tomei chá e dormi.

Sexta-feira
Foi muito top.


Sábado
Top.

Domingo
Fiquei em casa e me lembrei do experimento, que eu já tinha esquecido. Aí comecei a escrever isso. As reflexões finais são que hoje, depois de uma semana eu tenho um emprego muito melhor, mais amigos e sou muito mais saudável.